Líderes empresariais acreditam que a publicação do Decreto 26.038 do Governo de Rondônia recupera e consolida o comércio e a produção agropecuária.

“Sofremos, mas esse sofrimento é menor do que em outras regiões”, disse o presidente da Associação Comercial de Rondônia (ACR), Vanderlei Oriani. O reaquecimento do comércio e o movimento incessante no Porto Organizado de Porto Velho motivam também as entidades classistas, ele acredita.

“O governador Marcos Rocha faz a sua parte, tratando com seriedade essa questão, sempre agindo na medida em que o Governo Federal assim lhe possibilita”, elogiou.

Oriani vê a flexibilização de horários de trabalho no comércio (permitido até 23h diariamente), na indústria e no escoamento da produção agropecuária como fator que contorna “as dificuldades de cada um”.

“Observe o País inteiro e veja a comodidade de Rondônia, onde todos conseguem trabalhar porque foi possível investir em Educação, no transporte e na recuperação de estradas vicinais por onde escoamos a produção agropecuária”, ele analisa.

Lojas voltam ao normal em Porto Velho

Um ponto crítico ainda persiste, opina o presidente: agilidade dos prefeitos na aplicação da vacina anti-covid-19. Nesse sentido, ele apelou: “Grande parte dos gestores municipais não tem cobrado agilidade de seus secretários de saúde, e isso compromete e atrasa a melhora de posição (fases) de todos eles na classificação que impulsiona o setor produtivo”.

ESPAÇAMENTO E REGRAS

Para o presidente do Instituto de Ação Empresarial do Estado de Rondônia, Francisco Holanda, o Governo Estadual adotou medida amenizadora e positiva na resposta às “reclamações maiores, de proprietários de bares e restaurantes”.

Lembrou que algumas vezes havia sido consultado diretamente por comerciantes desses segmentos, os quais chegaram a propor abrir somente nos fins de semana, deixando o período de segunda-feira a sexta-feira para trabalhar com delivery (entrega).

Eles justificavam que os dois dias de atividades nos fins de semana rendiam mais do que a semana inteira. “A maioria dos proprietários passou por sofridas experiências, alguns foram notificados e multados, mas a situação está bem melhor agora, e até recebo elogios deles à liberação do horário de trabalho”, disse.

Conforme Holanda, “a maioria aprova e se dispõe a participar do contexto da atual fase de conscientização do perigo do contágio do vírus”. Dirigentes classistas estão gravando vídeos a respeito.

Trabalhando agora o dia todo dentro das normas sanitárias, os comerciantes se apresentam aptos à continuidade do decreto. No entanto, Holanda considera inadmissível haver afronta às regras sanitárias e à ocupação superior a 30% dos espaços nos estabelecimentos e outros locais de reunião em geral. Para ele, qualquer relaxamento a exemplo do que ocorreu no final do ano, tem que estar fora de cogitação.

Também louvou a unificação do contexto de mídias no sentido de maior participação do público na conscientização das medidas: “Todos os poderes estão bem realistas, estamos no mesmo barco, e as peças publicitárias implicam retratar a realidade para que não venha uma terceira onda”.

O líder empresarial manifestou gratidão ao comando do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia, pela intensa fiscalização aos estabelecimentos no período noturno. “O ato de se cuidar ainda é prioridade em todo o Brasil, e a presença dos bombeiros se reveste de alta importância nesse sentido”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui