Em almoço com Macron, Lula vai criticar ‘endurecimento’ no acordo entre Mercosul e União Europeia

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
Portal Rondônia de Notícia - Noticias de Rondônia

Em almoço com Macron, Lula vai criticar ‘endurecimento’ no acordo entre Mercosul e União Europeia

Presidente afirmou ainda que União Europeia não pode "tentar ameaçar o Mercosul"

Porto Velho, RO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira que vai cobrar do presidente Francês, Emmanuel Macron, o endurecimento do acordo entre Mercosul e União Europeia. Durante sua live semanal, Lula criticou termos do acordo que permitem sanções contra o Mercosul em caso de descumprimento e afirmou que não se pode "ameaçar o Mercosul".

— Vou almoçar com o Macron e eu quero discutir com o Macron a questão do parlamento francês que aprovou o endurecimento do acordo Mercosul x União Europeia. Ou seja, a União Europeia não pode tentar ameaçar o Mercosul de punir o Mercosul se não cumprir isso ou aquilo. Se somos parceiros estratégicos vocês não tem que fazer ameaça. Isso eu vou conversar muito com o presidente da França.

Na última semana, a Assembleia Nacional da França aprovou uma resolução política pedindo que o Executivo do país faça oposição ao acordo comercial entre os dois blocos. O texto foi apoiado por parlamentares da base do presidente Macron.

O ato, sem força de lei e considerado simbólico, ocorreu logo após o encontro entre a líder do bloco europeu, Ursula von der Leyen, e o presidente Lula onde o acordo foi colocado como prioridade nas relações entre Brasil e a UE.

Europa

O presidente embarca nesta segunda-feira para a Europa, onde cumprirá agendas oficiais no Vaticano, na Itália e em Paris. Estão previstos encontros com o Papa Francisco e com o presidente da França, Emmanuel Macron.

Lula afirmou durante a live que conversará com o Papa Francisco sobre a paz entre Rússia e Ucrânia e sobre a desigualdade. O presidente afirmou ainda que o a viagem seria um agradecimento aos anos de solidariedade do Papa a sua prisão da Polícia Federal.

— Ele foi muito solidário a mim em todos aqueles meus processos. Eu telefonei para ele, tomei a iniciativa, falei que gostaria de ir a Roma fazer uma visita para ele de agradecimento inclusive a tudo que ele fez por mim enquanto eu estava na PF, pelos atos de solidariedade. Muito muito interessado em acabar com a guerra da Ucrânia e da Rússia. Eu também quero conversar com ele sobre essa questão da paz e também quero conversar com ele sobre a questão da desigualdade.

Lula ainda afirmou que se encontrará com o presidente da Itália, Sergio Mattarella, e que terá uma reunião com o prefeito de Roma. O presidente tenta ainda um encontro com a primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni.

— Depois disso eu vou ter um encontro com o presidente da Itália. Vou ter reunião com o prefeito de Roma. Não sei se vai confirmar o encontro com a primeira ministra.

Em Paris, além do almoço com o Macron, Lula afirmou que participará do encerramento de um debate econômico com "vários presidentes" e que discursará sobre uma "nova economia para o mundo".

— Depois eu vou para Paris onde tem vários encontros com vários presidentes, e vai ter um debate que eu vou encerrar sobre uma nova economia para o mundo.

Lula também vai participar de um ato público organizado pelo Coldplay com diversos artistas. O Power Our Planet é um festival de música que busca combater a crise climática e problemas sociais.

— Eu vou participar de um evento público na frente do Torre Eiffel, convocado pelo pelo pessoal do Coldplay, para fazer uma ato público, com vários dirigentes e artistas.


Fonte: O GLOBO

Postar um comentário

0 Comentários