Vereador Pedrinho Sanches / Foto: Arquivo pessoal

Porto Velho, RO - A Câmara de Vilhena realizou, na manhã desta terça-feira, 2, a primeira sessão ordinária de agosto, momento em que foram aprovados vários projetos leis, um deles, que autoriza a aquisição de três ambulâncias.

Entre os parlamentares, o vereador Pedrinho Sanches (Avante) foi quem utilizou a tribuna da Casa de Leis para comentar a harmonia e o diálogo entre os Poderes através da gestão do prefeito em exercício, Ronildo Macedo (Podemos).

Padrinho afirmou que avisou várias vezes a respeito dos prejuízos que o município teria com a falta de diálogo entre os vereadores e o prefeito cassado e afastado, Eduardo Japonês (PSC). “O ex-prefeito trabalhava de um lado e a Câmara de outro lado. O ex-prefeito não queria conversar, sentar, e nem tinha o mínimo interesse de nos receber na prefeitura. Lá, a energia era pesada. Eu dizia a todos que eu nunca tinha visto um município trabalhar daquela forma, e que estava errada, e quem pagaria a conta é o povo de Vilhena”, disse.

Pedrinho garante que aconteceu uma mudança radical na administração, hoje, com diálogo. “Não sei se todos vocês percebem que agora, com a gestão do prefeito Ronildo Macedo, o relacionamento ficou mais fácil. Ele está presente todos os dias aqui na Casa de Leis, ouvindo e aceitando a opinião dos vereadores, servidores, secretários e empresários da cidade. Até os próprios comerciantes sentem essa mudança de que a cidade está andando, porque existe harmonia entre os poderes”, destacou o parlamentar, citando como exemplo melhorias no atendimento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

SABIA DECISÃO DO TRE

De acordo com Pedrinho, o Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE/RO) foi sábio ao marcar a eleição suplementar para 30 de outubro, em conjunto com o segundo turno das eleições gerais em Vilhena (leia mais AQUI).

“Digo que o TRE foi sábio, porque o vilhenense já terá que ir às urnas a votar e isso vai economizar milhões e vai reduzir transtornos. Confesso que fiquei satisfeito coma decisão da Corte”, encerrou.

Fonte: Extra de Rondonia