Porto Velho, RO - Com o início da Copa do Mundo cada vez mais perto, a ansiedade dos torcedores só tem aumentado. Isso porque a edição de 2022 promete ser uma das mais disputadas dos últimos tempos. Nenhuma seleção chegará ao Catar como favorita absoluta – a briga pelo título terá muitos concorrentes. Se você tem algum palpite sobre quem vai levantar a taça, aproveite o codigo-bonus.net e inicie sua jornada no mundo do entretenimento esportivo.

O Brasil, por sua tradição, é um dos favoritos nas bolsas de apostas. Mas essa lista ainda tem França, Argentina, Alemanha, Espanha e Inglaterra. Isso mostra que vencer o Mundial do Catar não será tarefa fácil para ninguém. Este fato tem criado uma enorme expectativa para a competição – afinal, quando ela começar a afunilar e os principais concorrentes ficarem frente a frente, não vão faltar bons jogos.

A última vez que o Brasil conquistou uma Copa do Mundo foi há 20 anos – na ocasião, a seleção derrotou a Alemanha por 2 a 0, com dois gols de Ronaldo. A realidade, hoje, é bastante diferente. A seleção não conta com um Ronaldo, um Rivaldo ou um Ronaldinho, mas ainda assim tem bons valores e poderá ser uma forte candidata, caso Tite consiga fazer uma boa mescla entre os jogadores experientes e os jovens talentosos.

Mas as outras seleções também querem levar a taça para casa e, nesse sentido, a Argentina tem tudo para ser uma das mais motivadas. Afinal, Messi poderá disputar, no Catar, a sua última Copa do Mundo. Aos 35 anos, o argentino já está na fase final de sua carreira, e é possível que em 2026 já esteja aposentado ou jogando em um nível bastante abaixo do seu habitual.

Já a França é a atual campeã mundial e tentará manter sua hegemonia. Além disso, sua dupla de ataque, Mbappé e Benzema, vive um ano fantástico e, possivelmente, vai aterrorizar as defesas adversárias. Por sua vez, a Alemanha tem uma das camisas mais pesadas do futebol e, embora não viva sua melhor fase, conta com muitos jogadores experientes e de ótimo nível – os alemães nunca podem ser considerados carta fora do baralho.

A Espanha consolidou-se, nos últimos anos, como uma das principais seleções do planeta. A geração atual já não é tão talentosa quanto a de Xavi e Iniesta, mas é composta por jogadores que atuam nos principais clubes europeus. E eles, certamente, não irão ao Catar para passear.

Por fim, a Inglaterra tem mostrado, nas competições recentes, que o momento de uma nova conquista importante está se aproximando. Em 2018, os ingleses ficaram em quarto lugar na Copa do Mundo e, em 2020, foram vice-campeões da Eurocopa. Será que o tão esperado bicampeonato mundial virá neste ano? Essa e outras perguntas começarão a ser respondidas a partir do dia 21 de novembro, quando o pontapé inicial for dado no Catar.

Fonte: Rondoniagora