Equipes do Corpo de Bombeiros e Samu realizam resgate de vítimas de atentado dentro de ônibus em Piracicaba — Foto: Wellington Bravio/Arquivo pessoal

Porto Velho, RO - O contador Wellington Bravo, de 35 anos, estava em uma loja de decoração em frente ao local onde o ônibus do transporte coletivo com as vítimas e o autor do atentado em Piracicaba (SP) parou, na tarde desta terça-feira (21), em uma das avenidas mais movimentadas do Centro da cidade. Três pessoas morreram e outras três ficaram feridas após um homem, de 52 anos, por motivos desconhecidos, atacá-las com uma faca dentro do coletivo.

"Foi muito triste. A tragédia das tragédias. As pessoas saíam do ônibus sangrando", contou ao g1.

Wellington disse que tinha acabado de deixar a filha na escola e, depois resolveu parar na loja de decoração e revestimentos para comprar torneira para casa. Parte das imagens que aparecem na cobertura do g1 foram feitas por ele instantes após o ataque. - Veja abaixo.

Ataque em ônibus deixa três pessoas mortas em avenida de Piracicaba
O ônibus onde o ocorreu o ataque é o da Linha 444 Sônia/Centro e tinha entre 35 a 40 passageiros no momento em que o homem começou a desferir os golpes com uma faca. A arma usada no crime foi apreendida. O autor foi preso em flagrante e deve passar por audiência de custódia nesta quarta-feira (22).

Segundo a Polícia Civil, o homem escolheu vítimas aleatoriamente e não tinha motivação específica contra nenhuma delas.

Três pessoas morreram no local do atentado em Piracicaba e outras três vítimas seguem internadas em unidades de saúde de Piracicaba, uma em estado grave até a manhã desta quarta-feira — Foto: Claudia Assencio/g1

"De repente, escutamos uma gritaria bem em frente ao estabelecimento. Vimos que um ônibus parou no meio rua e muitas pessoas desciam do coletivo que, que logo foi sendo esvaziado. Algumas estavam sangrando muito e ficou nítido que um rapaz estava na porta do ônibus com uma faca grande”, relatou.

Ataque em ônibus de Piracicaba deixou três pessoas mortas e três feridas — Foto: Claudia Assencio/g1

Momento em que suspeito é preso após o ataque dentro do ônibus em Piracicaba — Foto: Wellington Bravio/Arquivo pessoal

Wellington e outras pessoas que estavam na loja pediram ajuda. “Pensamos que o rapaz estava dentro do ônibus se escondendo ou fazendo algo no banco. Mas, não. Ele estava esfaqueando as pessoas. Ligamos para o Samu e chamamos a polícia. Depois, pedimos reforço”, afirmou.

Ele relata que uma mulher com ferimento na região da costela, já estava sem vida na rua quando saiu da loja para prestar socorro. "Chegamos a ajudar um rapaz que estava perdendo muito sangue. Que Deus o abençoe e que ele sobreviva. Foi uma tragédia das tragédias”, lamentou.

Pessoas buscavam por informações de possíveis vítimas do ataque a passageiros em ônibus do transporte público de Piracicaba — Foto: Claudia Assencio/g1

Buscas por familiares

Enquanto o local era preservado pela polícia para trabalho da perícia, muitas pessoas se aglomeraram no entorno da Avenida Armando de Salles de Oliveira. O trecho entre as Ruas Voluntários e Regente Feijó ficou completamente interditado entre às 14h30 e 17h.

Algumas pessoas foram em buscas de informações de parentes e amigos que poderiam estar no coletivo. A auxiliar de limpeza, Solange Cabral, de 43 anos, ficou preocupada quando soube do atentado e se dirigiu até o local à procura da filha e neta.

"Como minha filha estava comigo ao telefone e ia pegar um ônibus que faz aquela linha. Fiquei desesperada porque a ligação caiu e não consegui mais falar", relatou.

A polícia confirmou que os mortos são uma homem de 68 anos e duas mulheres, de 55 e 42 anos, respectivamente.

Passageira relata desespero dentro do ônibus

Uma autônoma de 23 anos que estava com o marido e o filho dentro de um ônibus onde três pessoas foram mortas esfaqueadas por um passageiro, em Piracicaba (SP), relatou que o homem saiu do terminal urbano da cidade dentro do coletivo em silêncio e iniciou os ataque repentinamente.

De acordo com Samara Silvestre, o homem sentou em um banco atrás de onde ela havia sentado.

"Saiu do terminal com o homem normal dentro, não falava nada. Ninguém viu a faca dele. Aí, chegou aqui [do terminal] o povo começou a gritar: 'motorista, abre a porta, abre a porta, abre a porta [...] [Começou os ataques] do nada. Estava quieto", descreveu a autônoma.

O ataque ocorreu na Avenida Armando de Salles de Oliveira, uma das principais da cidade. Outras três pessoas foram socorridas com vida, de acordo com a Polícia Militar.

"Todo mundo gritando desesperado, aí chegou aqui [em um cruzamento da avenida com a Rua Regente Feijó] e foi a hora que eu vi, que ele estava esfaqueando gente lá dentro".

Segundo ela, após parte dos passageiros descer do ônibus para fugir dos ataques, seu marido tentou conter o criminoso.

"Tentou entrar lá [no veículo] para segurar ele, daí ele tomou uma [facada] de raspão atrás", relata. O companheiro de Samara sofreu ferimentos leves, mas foi até a Santa Casa de Piracicaba para receber atendimento médico.

Outro passageiro afirmou que o homem começou a dar facadas em quem conseguisse atingir dentro do ônibus.

"Aí ele me disse assim: 'o próximo é você'. Aí eu peguei essa bolsa aqui e joguei na cara dele. Foi na hora que ele caiu e eu ia 'grudar' ele pra pegar ele também, mas ele foi mais ligeiro, pegou a faca".

Ele afirmou que tentou salvar uma vítima que morreu. "Ela ficou para trás, eu tentei puxar ela. Ele começou a esfaquear a costas dela. Deu várias facadas".

O ataque ocorreu quando o coletivo estava no segundo ponto de parada da Avenida Armando de Salles de Oliveira, logo após o veículo sair do Terminal Urbano da cidade.

O suspeito foi preso e, segundo a Polícia Civil, escolheu as vítimas aleatoriamente e não tinha motivações para cometer o crime, além de falar de maneira desconexa.

Ônibus onde o crime ocorreu, na Avenida Armando de Salles Oliveira, em Piracicaba — Foto: Claudia Assencio/ g1

Imagens que circulam em redes sociais mostram o homem realizando os ataques e PMs chegando ao local para rendê-lo e realizar a prisão.

O trecho foi interditado para perícia da Polícia Civil e as vítimas foram atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Polícias militar e civil atenderam a ocorrência e o Helicóptero Águia deu apoio aéreo.

Três pessoas morreram no local e três foram socorridas com vida, segundo a PM — Foto: Claudia Assencio/ g1

Segundo a prefeitura, morreram no ataque duas mulheres, de 42 e 55 anos, e um homem de 68 anos. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) e não havia informações sobre velório e enterro até a última atualização desta reportagem.

Outras duas vítimas foram conduzidas para o Hospital dos Fornecedores de Cana de Piracicaba (HFC). Uma delas é um rapaz de 28 anos que está em estado grave e a outra é uma idosa de 60 anos que está em estado estável, segundo o último boletim médico da unidade de saúde.

Já uma idosa foi socorrida com crise nervosa para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da rede municipal.

Policiais preservaram local onde ocorreu o ataque — Foto: Claudia Assencio/ g1

Em nota, a concessionária TUPi Transporte, responsável pelo transporte público na cidade, manifestou apoio e solidariedade às vítimas e seus familiares.

"Informações indicam que uma pessoa atacou deliberadamente quem estava em sua frente com uma faca vitimando pessoas e ferindo outras causando pânico generalizado. O homem foi preso e a TUPi está acompanhando o caso e em contato com as autoridades locais e a prefeitura municipal", acrescentou.

Fonte: Por Claudia Assencio e Rodrigo Pereira, g1