Vereadora discursa na sessão ordinária desta terça-feira, 7 / Foto: Extra de Rondônia

Porto Velho, RO - “Foram momentos de humilhação, dor e desgaste de servidores”. Com essas palavras, a vereadora Vivian Repessol, que é professora concursada do município, revelou as dificuldades dos servidores municipais para a aprovação do Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) em Vilhena.

Projetos nesse sentido foram lidos na sessão ordinária na manhã desta terça-feira, 7, e a previsão é que sejam aprovadas em sessão extraordinária programada para às 19h desta quinta-feira, 9.

Tido como sonho dos servidores municipais, o PCCS chegou a ser protocolado no final de março passado, após a “Marcha Fictícia” (assim definida pela parlamentar) liderada pelo prefeito Eduardo Japonês, que reuniu membros do primeiro escalão municipal e integrantes do Sindsul (leia mais AQUIAQUI e AQUI).

“Enquanto servidora, não posso deixar de nomear que foram muitos momentos de humilhação que o servidor tem passado, de humilhação, que desde novembro a gente vem implorando por um diálogo e tivemos as portas batidas em nossas caras solicitando uma conversa com o senhor prefeito. PCCS que está vindo na dor, com desgaste, com servidores sendo vencidos no cansaço, onde os servidores não aguentam mais ouvir falar em ‘tá vindo’, ‘tá chegando’, ‘vai ser aprovado’. Nós chegamos ao nosso limite, porque houve uma esperança. Foi feito aqui nessa Casa de Leis um protocolo oficial divulgado em todas as mídias colocando o Legislativo como se nós estivéssemos enrolando o Plano. Mas tudo foi totalmente ao contrário: todos os vereadores se uniram cobrando para que o Plano chegasse e não vinha nunca. Um Plano fechado a mais de sete chaves”, desabafou a parlamentar.

Por outro lado, após mais de dois meses, o PCCS foi protocolado novamente na Casa de Leis, mas Vivian avisa que “infelizmente, há questões que precisam ser modificadas”. Para isso, ela explicou que todos os vereadores são unânimes para incluir emendas e pede ao prefeito que não revogue as alterações para que elas sejam realmente aprovadas na noite de quinta-feira.

“Esse PCCS não passou pela Procuradoria Geral do Município (PGM). Os procuradores não tiveram acesso a esse Plano. Não está redondo, não está com benefícios pra você, servidor, a longo prazo. Por isso, todos nós estamos aqui empenhados em fazer diversas emendas na esperança em que o prefeito, quando leia, possa aprová-las e não vetar e devolvê-las a esta Casa de Leis. A única esperança que sobrou pra nós, quanto servidores, é a aprovação dessas emendas. Infelizmente, há questões que precisam ser modificadas, melhoradas, para que o servidor não sofra no futuro”, finalizou.

Fonte: Extra de Rondonia