Porto Velho, RO - Entre os dias 22 a 28 de maio, a ONG Doutores da Amazônia, em parceria com o Departamento de Saúde Pública em Porto Velho (Dsei) e Conselho Distrital de Saúde Pública (CONDISI), apoio da Secretaria Estadual de Saúde Indígena (Sesai), 54 Bis e Associação Kanindé, vai adentrar na terra indígena de Rio Branco, Aldeia São Luís, em Rondônia. A ação levará atendimentos médicos, odontológicos especializados, assistência de enfermagem e farmacêutica.

Os beneficiados serão os povos do município de Alta Floresta do Oeste-RO: Tuparí, Kampe, Makurap, Jabote, Diarroy, Kanoe e Wajuru.

A organização irá levar atendimentos atendimentos oftalmológicos com entregas de óculos de grau quando indicado; pediatria; ginecologia; clínica médica com eletrocardiograma; tratamentos de canal; próteses dentárias; restaurações complexas; atendimentos infantil (odontopediatria) e assistência farmacêutica com doações de milhares medicamentos.

Além de também montar uma óptica portátil no meio da floresta Amazônica para fazer a confecção dos óculos de grau no próprio laboratório portátil.

O objetivo da ação é zerar a demanda oftalmológica e suprir 80% das necessidades em outras especialidades com cerca de 800 a 1000 atendimentos, promovendo a prevenção com auxílio do pós-atendimentos por meio da telemedicina diretamente com os agentes de saúde indígena e profissionais do Dsei Local.

O presidente da ONG, cirurgião-dentista Caio Machado, explica que hoje a Doutores da Amazônia se tornou uma organização mundialmente conhecida por desenvolver atendimentos de qualidade nas aldeias. “Graças a um trabalho feito com responsabilidade e amor ao longo dos anos. A Doutores da Amazônia se tornou respeitada por organizações indígenas de todo país e sempre destacamos que nascemos no estado de Rondônia”, comentou.

Essa será a XXVIII ação dos Doutores da Amazônia, que já alcançou mais de 500 voluntários, totalizando 290 dias em terras indígenas. Além dos voluntários médicos de todo o Brasil, Rondônia vai estar representando com 4 profissionais.

Fonte: Camilo Estevam