O policial penal F. H. R., 49 anos, e S. C. B., 59 anos, foram presos por policiais da 1ª Delegacia de Guajará-Mirim, na tarde desta segunda-feira (2), durante a Operação Tranca, deflagrada durante investigação de crimes de corrupção no sistema penitenciário. S. C. B. é mãe de um detento.

As investigações apresentaram indícios de que a dupla facilitava a entrada de objetos proibidos na Casa de Detenção Masculina de Guajará-Mirim.

Segundo a Polícia, ficou comprovado que o policial penal recebia dinheiro para facilitar a entrada de tabaco, aparelhos celulares, serras e outros objetos, no sistema prisional de Guajará-Mirim.

A Polícia apurou ainda, que S. C. B. estava envolvida nas negociações dos ilícitos.

O delegado Rogério Pereira dos Santos, presidiu as investigações, e representou pelos mandados de busca e apreensão domiciliar na residência dos investigados e mandados de prisões preventivas.

Na tarde de segunda, os agentes cumpriram os mandados. Localizado, o policial penal, de 49 anos, tentou reagir à prisão, mas foi imobilizado. Ele ainda tentou atrapalhar o trabalho da Polícia, dificultando o acesso dos policiais no cumprimento das buscas.

Dentro da casa de F. H. R., no quarto, foram encontrados três aparelhos celulares, sendo que um deles estava escondido embaixo de um colchão. Ainda na residência, os agentes encontraram mais quatro celulares, e dois carregadores, que estavam na sala e em gavetas. O policial penal afirmou que os objetos não os pertenciam.

Ainda na casa, os policiais encontraram 20 munições de arma de fogo. Uma advogada, acionada pela esposa de F. H. R., acompanhou o cumprimento das cautelares.

Já na residência de S. C. B., mãe de um apenado, os policiais apreenderam um aparelho celular, que vão auxiliar nas investigações.

A dupla presa foi indiciada pelo crime de corrupção passiva, para o policial penal e corrupção passiva ativa, para a mãe do apenado. O caso segue em investigação.

Fonte: Rondoniagora