Apenas dois dias após visitar o gabinete do parlamentar, o pastor Arilton Moura encontrou-se com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto. (Foto: Ag. Brasil)


Porto Velho, RO - O pastor Arilton Moura, acusado de pedir propina para intermediar a liberação de verbas do Ministério da Educação (MEC) esteve pelo menos 90 vezes na Câmara entre janeiro de 2019 e março de 2022, incluindo o gabinete do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), aponta reportagem do jornal O Globo. Arilton faltou a uma sessão da Comissão de Educação do Senado em que deveria prestar esclarecimentos sobre as denúncias que estava marcada para esta quinta-feira (7).

Segundo a reportagem, o sistema de segurança da Câmara registra que Arilton esteve em pelo menos 10 gabinetes de parlamentares, como o de Eduardo Bolsonaro. Ele esteve no gabinete de Eduardo no dia 16 de agosto de 2019. Apenas dois dias depois, o pastor acompanhou o seu colega Gilmar Santos em um encontro com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto. Eduardo Bolsonaro não quis comentar qual teria sido o assunto discutido no encontro.

Ainda segundo o Globo, o parlamentar que mais recebeu foi o pastor lobista João Campos (Republicanos-GO). Ele também recebeu Gilmar Santos em duas oportunidades. O parlamentar nega qualquer irregularidade.


Fonte: Brasil247