Ministra das Finanças do Canadá diz que G20 não pode funcionar com a Rússia na mesa.(Foto: Mídia chinesa)


Porto Velho, RO - Reuters - O Grupo das 20 principais economias não pode funcionar efetivamente enquanto a Rússia permanecer como membro, disse a ministra das Finanças do Canadá nesta sexta-feira (22), após uma semana de protestos contra a guerra de Moscou na Ucrânia nas reuniões do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial em Washington.

A discórdia sobre a presença da Rússia nas reuniões ficou evidente durante toda a semana, com autoridades dos EUA, Canadá, Grã-Bretanha e outros países ocidentais fazendo protestos durante três dias seguidos sempre que autoridades russas falavam.

Os ministros das Finanças e presidentes dos bancos centrais do G20, que se reuniram em Washington na quarta-feira, não chegaram a um acordo sobre seu tradicional comunicado delineando metas de política econômica, já que a Rússia bloqueou uma condenação à sua invasão da Ucrânia.

O comitê diretor do FMI e o Comitê de Desenvolvimento Banco Mundial-FMI também não emitiram declarações conjuntas.

"O G20 não pode funcionar efetivamente com a Rússia na mesa", disse Chrystia Freeland, ministra canadense das Finanças, em entrevista coletiva ao lado do ministro das Finanças ucraniano, Serhiy Marchenko, em Washington.

"A Rússia não tem lugar na mesa dos países que se uniram para manter a prosperidade econômica global", disse Freeland, acrescentando que o país euroasiático violou regras internacionais de longa data com a invasão do sul da Ucrânia

Freeland, que é descendente de ucranianos, fez apelos apaixonados em nome da Ucrânia desde que a Rússia invadiu o país no final de fevereiro. consulte Mais informação

Na quinta-feira, ela se dirigiu diretamente ao ministro das Finanças russo, Anton Siluanov, que participou virtualmente de uma reunião do FMI, dizendo que sua participação era "perversa e absurda", já que "sua guerra está nos tornando mais pobres", segundo uma fonte.

As tensões puseram em causa a eficácia do G20, que inclui países ocidentais que acusaram Moscou de crimes de guerra na Ucrânia, bem como China, Índia, Indonésia e África do Sul, que não aderiram às sanções lideradas pelo Ocidente contra a Rússia por causa do conflito.

A Indonésia, país anfitrião do G20 deste ano, ainda está otimista de que o progresso pode ser feito em uma série de questões, apesar das tensões, disse o ministro das Finanças da Indonésia, Sri Mulyani Indrawati, à Reuters em entrevista.

Indrawati disse que a Indonésia está mais focada no trabalho técnico "de base" em questões subjacentes, como fortalecer uma estrutura de dívida comum do G20 para países pobres e criar um novo mecanismo de financiamento para futuras necessidades pandêmicas, do que emitir um comunicado no estágio atual.

Com outras reuniões de finanças do G20 agendadas para julho e outubro e uma cúpula de líderes em novembro, Indrawati disse que há tempo suficiente para progredir.

"Se não houver nenhum fórum, então o mundo estará em um lugar muito pior", com cada país estabelecendo políticas sem levar em consideração os outros.


Fonte:Brasil247