Cidade foi devastada por temporal na última terça-feira (15)FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL-18/02/2022

O número de mortos em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, subiu para 146, segundo anunciou neste sábado (19) a Defesa Civil. Os bombeiros mantêm as buscas por 191 pessoas que estão desaparecidas. O IML (Instituto Médico-Legal) do Rio de Janeiro identificou 117 corpos de vítimas da tragédia no município, também chamado de Cidade Imperial.

"Hoje foi mais um dia de trabalho intenso, com ações em conjunto com todas as nossas equipes e as agências que atuam integradas, a partir do gabinete de gestão de desastres. Estamos atuando para recuperar a nossa cidade de forma célere", destacou o prefeito Rubens Bomtempo.

Segundo a Secretaria de Estado de Polícia Civil do Rio, até as 10h deste sábado (19) o IML tinha recebido 133 cadáveres e três despojos. Entre as vítimas, 82 são mulheres e 51, homens. O total de pessoas resgatadas com vida continua em 24.


Petrópolis foi devastada por um temporal na terça-feira (15) e até este sábado (19) sofre com a chuva, que ainda torna o tempo instável e preocupante. O solo encharcado e o retorno da chuva durante o dia representam risco de novos deslizamentos.

Bombeiros

Desde a terça-feira, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro mantém os trabalhos de busca e resgate das vítimas durante 24 horas. Mais de 500 militares atuam nas ações, distribuídas por todos os locais críticos.

Segundo os bombeiros, as três áreas principais são os setores Alfa, Bravo e Charlie, que abrangem regiões como o Morro da Oficina, a rua Teresa, o Alto da Serra, a Chácara Flora, a Vila Felipe, Caxambu e localidades vizinhas. O Posto de Comando Central foi montado no 15º Grupamento de Petrópolis.

Apoio de cães farejadores

O Corpo de Bombeiros do RJ informou que, por meio da Liga Nacional de Bombeiros, as operações contam com o apoio de 79 militares e 36 cães farejadores de corporações de outros estados. São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná enviaram equipes a Petrópolis.

Os efeitos da chuva provocaram 837 chamados para a Defesa Civil, segundo dados até o início da tarde deste sábado, sendo 642 casos de deslizamentos em diferentes pontos da cidade. A Assistência Social da cidade atendeu 967 pessoas que precisaram ser acolhidas nos 19 pontos de apoio instalados em escolas públicas da cidade.

A Defesa Civil informou ainda que, entre as localidades que receberam o suporte dos seus agentes e de integrantes de demais órgãos dos governos estadual e federal nas operações conjuntas, estão Morin, praça Pasteur, rua Teresa, Floresta, Saldanha Marinho, Mosela, Chácara Flora, Estrada da Saudade, Rua Hermogênio Silva, São Sebastião, Thouzet, Siméria, Independência, Taquara, Quitandinha, Bingen, Bairro Castrioto, Retiro, Roseiral, Parque São Vicente, Alagoas, Rio de Janeiro, rua Ceará, Coronel Veiga, Meio da Serra, Vila São José, Vila Militar, rua Itália, 24 de Maio e Jardim Salvador.

Ainda segundo a Defesa Civil, nesses locais os chamados foram por conta de deslizamentos, e a única região com resgate de vítimas foi a da Chácara Flora. “Na localidade, foram identificadas ao menos 30 pessoas debaixo dos escombros”, informou.

Aulas só após o Carnaval

Por causa da tragédia, a Secretaria Municipal de Educação decidiu que a previsão para o retorno das aulas de toda a rede de ensino do município é para depois do Carnaval, que neste ano será nos dias 26, 27 e 28 de fevereiro e 1º de março.

ff
Fonte: R7, com informações da Agência Brasil