Na tarde desta terça-feira (22), o Conselho Regional de Medicina de Rondônia (Cremero), deu prazo de 30 dias para o Governo do estado providenciar a transferência de crianças internadas no hospital infantil Cosme e Damiao para uma outra unidade de saúde, em decorrência da série de problemas encontrados durante fiscalização.

O assunto foi tratado durante com representantes do Cremero, da direção do Cosme Damião, Ministério Público, OAB, Simero, Conselho Estadual de Saúde, Assembleia Legislativa e Secretaria de Saúde do estado (Sesau).
Umas das sugestões apresentadas é que as crianças sejam transferidas para o hospital de Campanha Regina Pacis.

Durante a reunião foi encaminhado pelos deputados Neidson Soares e Cássia da Muleta requerimento para que a Sesau realizasse com urgência a reforma do Cosme e Damião e a transferência das crianças. O pedido foi aprovado pela Assembleia.

Segundo a presidente do Cremero, Ellen Santiago, caso a transferência das crianças não aconteça no prazo estabelecido, ocorrerá a interdição ética-médica do hospital. “Não cabe a nós definir para onde, mas sim que nossas crianças não podem mais ficar onde estão”, disse.

De acordo com a presidente do Cremero, o primeiro relatório de fiscalização protocolado e notificando sobre os problemas estruturais foi feito há dois anos, e até o momento o problema persiste. “A intenção principal desta reunião foi buscar saídas, providências para que a ação mais radical de real interdição não seja tomada. Nosso intuito é realmente garantir a segurança do atendimento prestado para o nosso paciente, e se a vida da comunidade está em risco sem previsão ou pró atividade dos responsáveis tomaremos uma atitude”, declarou.

Representando o estado de Rondônia, o secretário-adjunto da Saúde, Nélio Santos, afirmou que o hospital não oferece risco aos pacientes da forma como que está, e que existe um processo em andamento, porém que a burocracia traz dificuldades para a gestão administrar. “Foram duas manutenções feitas nesses dois anos. O conceito de engenharia deste hospital era diferente, tendo sido feito então, após a necessidade de se transformar em um hospital de porta aberta, uma adequação elétrica, o que justifica os gessos quebrados desde então. Em seguida, houve a pandemia que paralisou qualquer conserto. Processos de licitações estão em andamento envolvendo todas as pendências de estrutura (forro, telhado, manutenção de pintura e tratamento das trincas de alvenaria) e devem ser concluídos em março”, disse o engenheiro da Sesau Gustavo Soares e Silva, que esteve acompanhado o secretário.

Hospital Cosme Damião

O hospital, responsável por todo procedimento de médio e grande porte da pediatria no Estado, ocupa seu atendimento de 80% da atenção primária que seria responsabilidade do município, conforme informou o diretor técnico do HCD, Daniel Pires de Carvalho. “São mais de 300 atendimentos por dia, a demanda é crescente”, reforçou.


Fonte: Rondoniagora