Nomes analisados na sociedade vilhenense / Foto-montagem: Extra de Rondônia


Apesar de ainda haver possibilidade de recurso, parece que a tendência é que Vilhena mais uma vez passe por processo de eleições suplementares em virtude da cassação de Eduardo Japonês e sua vice, Patrícia da Glória, ambos do PV (leia mais AQUI e AQUI).

Com tal perspectiva, os bastidores da política local estão em efervescência desde o dia do julgamento e vários nomes começam a ser cogitados para eventual nova eleição no “Portal da Amazônia”.

Além das obviedades, como Rosani Donadon, Darci Cerutti, além de outros expoentes locais da política que despontam, caso do vereador Samir Ali (atual vice-presidente do Legislativo e que deve assumir a presidência da Casa), dos ex-vereadores Rafael Maziero e Adilson de Oliveira (este último ex-prefeito), bem como do militar Coronel Rildo, que concorreu na disputa eleitoral passada conseguindo expressiva votação, e de Paulinho da Argamazon, este surgindo como novidade.

O fato é que se deve aguardar os próximos momentos judiciais em torno do processo que cassou os atuais detentores dos cargos Executivos em Vilhena, mas enquanto isso as articulações políticas entre os grupos da cidade seguirão à pleno vapor.

O Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE) deve, nos próximos dias, esclarecer o andamento do procedimento judicial, já que os advogados que participam dão versões opostas quanto ao afastamento do prefeito do cargo.

Enquanto que advogado da coligação que moveu ação e resultou na cassação afirma que o afastamento do cargo ocorre após o julgamento de Embargos no próprio TRE/RO, a defesa de Japonês garante que ele continua à frente da gestão até que recurso seja julgado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Fonte: Rondoniagora