O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) iniciou, às 9h50 desta terça-feira (14/12), o sexto dia de buscas pela dona de casa Shirlene Ferreira da Silva, 38 anos, grávida de 4 meses, e Tauane Rebeca da Silva, 14, sua filha. Na última quinta-feira (9/12), as duas saíram de casa para tomar banho em um córrego perto de onde moram, no Sol Nascente, mas até a última atualização desta reportagem, não haviam retornado ou dado sinal de vida.


Misterioso sumiço de mãe e filha entra no 6º dia. Veja o que se sabe.

De acordo com o CBMDF, as buscas foram retomadas na região do desaparecimento, no Setor Habitacional Sol Nascente, Ceilândia. Nessa segunda, a PCDF começou a procurar pelas duas com helicópteros da Divisão de Operações Áreas (DOA) e cães farejadores dos Bombeiros.


Buscas começaram na noite de quinta (9/12)



Um cão de buscas ajuda na tentativa de localizá-las



Segundo o delegado Vander Rodrigues Braga, que investiga o caso, se as duas tiverem sido vítimas de afogamento, a equipe poderá encontrá-las. “Se houve um afogamento, hoje ou amanhã seriam os dias que os corpos venham a boiar e, aí, o pessoal da equipe área consegue visualizar”, informou Vander ao Metrópoles.

Mesmo assim, a PCDF não descarta que a mulher e a filha tenham sido vítimas de crime. “Nenhuma hipótese está descartada. É o tipo de situação que a gente não pode de forma prematura tirar conclusões precipitadas”, explicou o delegado.

Entenda o caso

De acordo com o marido da dona de casa, o pintor Antônio Wagner Batista da Silva, 41, a última pessoa da família a ter contato com Shirlene e Tauene foi o filho caçula, Lucas, 12. A criança teria contado ao pai que a irmã insistiu com a mãe para que as duas descessem ao córrego. A família mora no local há pouco tempo e, neste dia, Antônio estava trabalhando no Lago Norte.

A esposa teria pego a mochila do menino, uma toalha amarela listrada, biscoitos e uma sombrinha. Depois disso, saiu para o passeio com a filha no início da tarde. Ao voltar para casa, por volta das 18h30, Antônio contou que teria encontrado com o menino todo molhado e preocupado. A criança queria procurar a mãe e a irmã no córrego, mas foi surpreendida no caminho por uma chuva forte.


Fonte: Metrópoles